Nasceu no Porto, em 1822. Nesta cidade, onde estudou primeiramente desenho e matemática na Academia Politécnica onde foi aluno de João Baptista Ribeiro e de Roquemont, frequentando em seguida a Academia Portuensa de Belas Artes entre 1839 e 1843 aprendendo a perspectiva linear, anatomia artística e pintura histórica.
Alguns amigos, reconhecendo as suas qualidades artísticas facultaram-lhe a possibilidade de partir para Paris. Aí chegou por volta de 1848, estudando ao longo de sete anos com Horace Vernet, Delaroche e Ingres.
Após esta longa permanência em França, de regresso ao Porto, concorreu em 1856 ao lugar de professor de Pintura Histórica da APBA,que se encontrava vago. Nomeado para reger a cadeira em 1857 e mais tarde, em 1822, para Director da Academia, veio a exercer ambos os cargos até à sua morte, em 1896.
Bom desenhador e excelente pedagogo, pelo ensino que ministrou na Academia, exerceu grande influência na formação dos seus alunos destacando-se entre eles Soares dos Reis, Marques de Oliveira, Silva Porto e Henrique Pousão.
Tendo assistido em França e em Portugal aos movimentos que marcaram a ruptura com as formas académicas do ensino, João Correia embora simpatizante, pouco se deixou influenciar por eles. Aderiu ao espírito do romantismo mas manteve-se fiel a uma concepção clássica da arte.Com um grande conhecimento das técnicas do desenho expressas numa preocupação constante pelo “equilíbrio das proporções e da linha”, revelou-se mais desenhador do que pintor. Como retratista também foi exímio.
A valorização que João Correia deu ao desenho como base de formação de qualquer artista independentemente da sua área vocacional, aliado a um espírito crítico e exigente ainda que liberal, ao permitir que os seus alunos desenvolvessem as qualidades pessoais valeu-lhe um professorado benéfico que exerceu influência considerável tanto na sua geração como nas seguintes.
Para além do desenho e da pintura a óleo, onde se evidenciou como retratista, João Correia praticou também a litografia. Não se limitando a temática da sua obra exclusivamente ao retrato, abordou outros temas como a pintura histórica, religiosa e de natureza – morta, embora em menor escala.
Participou em várias exposições trienais da APBA e da SPBA.